Páginas

quinta-feira, 19 de março de 2015

Seminário | A Luz: Uma Invenção da Arte Ocidental


A palestra pode ser seguida em video difusão aqui.

A LUZ: UMA INVENÇÃO DA ARTE OCIDENTAL

Resumo
No seu famoso “Elogio da Sombra”, Tanizaki mostra o seu descontentamento pelas comodidades civilizacionais em matéria de luz. Mas o problema a abordar nesta comunicação não é apenas civilizacional (que também o é, dividindo “oriente” de “ocidente”), o problema é sobretudo estético (artístico), manifesta-se na política (do absolutismo do Rei-Sol aos símbolos revolucionários) e na produção de conhecimento (bastaria pensar-se numa genealogia europeia cartesiana). Na arte da pintura, da escultura e arquitectura, sobretudo na primeira (pintura), a luz é entendida como elemento de modelação volumétrica (sem correspondência na arte oriental, do Egipto ao extremo-oriente). Até ao século XVII há quatro formas de modelação lumínica: as “grisailles” (espécie de escultura bidimensional monocromática que encontramos em Giotto), o “sfumato” (invenção para-científica de Leonardo sobre impacto e difusão da luz nos corpos), o “chiaroscuro” (Rembrandt) e o “tenebroso” (Caravaggio). Enquanto na arte ocidental a luz modela formas e volumes, na arte oriental a “ignorância” da luz leva a uma estilização estática. No ocidente, é Caravaggio o autor que leva o tratamento da luz a zonas de complexidade mais intensas. Aí nos concentraremos.


CARLOS VIDAL Artista e professor na FBAUL. Participa em exposições desde 1991. Representado em colecções particulares e institucionais (MAC-Serralves, Porto ; MEIAC, Badajoz ; CAV, Coimbra, etc). Publicou vários livros sobre arte e colabora regularmente com Lapiz e Exit (Madrid); colaborou no livro Over Here: International Perspectives on Art and Culture (New Museum / The MIT Press), e realizou várias conferências : Universidade Paris I / Sorbonne ; Museo Nacional Reina Sofia / MNCARS ; ARCO, Madrid ; Museu de Arte Contemporânea / Serralves, Porto ; Fundació Pilar i Joan Miró, entre outras actividades. O seu mais recente estudo é dedicado a Caravaggio (Ed. Vendaval, Abril, 2011; Imprensa da Universidade de Coimbra, 2015).






Sem comentários:

Enviar um comentário